Lomadee

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Sea of Thieves pode ser o seu No Man's Sky


Uma coisa que eu sempre me lembro bem sobre a E3 2016 é como The Legend of Zelda: Breath of the Wild foi mal apresentado. Umas 6 horas de transmissão direta mostrando quantidades enormes do jogo até o nível de saturação. Até mesmo eu que adorei o jogo, achei essa forma de mostrá-lo péssima, faltou tato da Nintendo de saber mostrar seu próprio produto.

Do outro lado, Sea of Thieves, o novo jogo online da Rare para o Xbox One teve apenas alguns minutos, mas foi apresentado como se fosse um gameplay entre amigos. Um jogo pelo qual ninguém dava nada de repente teve toda a sua imagem alterada em poucos minutos. Bastou um pouco da boa e velha diversão (e claro, edição).

Infelizmente ter boa vontade do público não é suficiente para fazer de um jogo um sucesso. Há muitos defeitos no jogo e para piorar ele está no Xbox One, um console que está afundando feito pedra. Porém ele também irá ganhar uma versão para PC, o que pode ser a diferença entre a vida e a morte para ele, pois a comunidade no PC é muito mais aberta para jogos online.


Ainda assim, o que me deixa curioso é que Sea of Thieves me lembra muito um outro jogo: No Man's Sky. Em seu novo trailer revelado para a Gamescom 2016, vemos que Sea of Thieves tem muitas partes paradas, que podem até parecer monótonas para alguns jogadores, assim como acontece com No Man's Sky, porém em multiplayer.

Eu ainda não joguei o suficiente de No Man's Sky para fazer uma review completa, mas uma coisa já posso afirmar com certeza e dar uma amostra do que será dito no review: Ele é voltado para fãs de ficção científica e esse gênero sempre foi de nicho. Devido ao hype (expectativa) várias pessoas que achariam esse conteúdo desinteressante, acabaram comprando o jogo.

Alguns jogadores poderiam dizer que falta ação em No Man's Sky, como inimigos assassinos, grandiosos combates, mas o jogo nunca foi vendido sob essa ideia, ele sempre foi sobre explorar um universo semi-infinito. Porém também não é errado que você queira que o seu jogo tenha ação e por isso talvez Sea of Thieves possa ser o No Man's Sky para você que nem mesmo o próprio No Man's Sky conseguiu ser.

A temática de piratas é muito mais interessante para o público em geral do que espaço, pois como já falamos incontáveis vezes, o espaço é algo com o qual não podemos nos relacionar. O espaço só apetece a pessoas escapistas, pois é muito distante da vida cotidiana de uma pessoa comum para que ela possa se sentir conectada com aquelas situações. Por isso a ficção científica permanece um gênero de nicho.


Outro ponto negativo que Sea of Thieves possui é que ele é desenvolvido pela Rare. Lembram-se? Antiga parceira da Nintendo? Claro que sim. Há muito tempo todo o talento da Rare foi destruído e ela só vinha fazendo jogos periféricos horríveis. A Rare que conhecíamos simplesmente desapareceu devido a aquisição da Microsoft.

Porém, já tem um bocado de tempo, não é? Tudo que a Rare foi na época da Nintendo já deixou de ser e a Rare atual como conhecemos não é muito boa, mas já faz tanto tempo que ela já pode estar começando a virar alguma outra coisa. Sea of Thieves pode ser um jogo de virada para a Rare voltar a ser um estúdio razoável, apesar de eu não apostar além disso.

Da mesma forma que No Man's Sky, Sea of Thieves também não será um jogo para todo mundo e nem mesmo é um jogo para mim. Me parece que ele irá encarar os mesmos problemas com reviews negativas dizendo que ele é chato, assim como ocorreu com No Man's Sky, mas em uma escala bem menor, já que a expectativa não está tão alta. Talvez ele até mesmo seja elogiado.

Ainda assim, como eu estou me divertindo com No Man's Sky, posso imaginar pessoas se divertindo com Sea of Thieves, vendo nesse jogo uma realização melhor da ideia de exploração com ação e multiplayer.

4 comentários:

  1. Tudo que vi sobre No Man's Sky foi muito raso, por isso não posso opinar sobre ele, mas gostaria de dar meus 2 centavos sobre o jogo da Rare.

    Bem legal a proposta de ser mmo de piratas. A maneira como a arte trabalha o tema reforça uma temática de aventura, convidando o jogador a esse mundo. Ele me lembra vagamente mmorpg's, no sentido que o jogador encarna um guerreiro que desbrava o mundo e tem que trabalhar em equipe para conquistar seus objetivos, mas sem grinding ou rodas de hamster (Não sei se esses elementos estão presentes, apenas não os identifiquei na analise rápida que fiz).

    No entanto eu tenho medo da necessidade excessiva de jogar em grupo. A maioria dos jogadores passa a maior parte do tempo jogando sozinhas em jogos online e eu não vi nenhum conteúdo que não precise de um grupo de amigos para aproveitar. Na melhor das hipóteses, um grupo de desconhecidos seria o bastante, o que diminuiria um pouco esse problema.

    Também não sei até que ponto o mundo é interessante. Existe alguma cidade em que os jogadores possam interagir, formar grupos, guildas, comprar equipamentos e consumíveis ou fazer melhorias em barcos? Ilhas inabitadas são interessantes? Tem conteúdo multiplayer ou single player nelas, ou tudo é limitado as batalhas navais? O fundo do oceano é interessante, pode ser explorado?

    Todas são perguntas das quais eu pelo menos não me empenhei o bastante para buscar as respostas, mas que em caso negativo tiram muito potencial do jogo.

    Se esse jogo for o que eu gostaria que ele fosse, eu acredito fortemente que poderíamos ter um renascimento no gênero dos mmorpg's. Infelizmente, sei que ele não será pelos motivos que você mesmo citou.

    Mas enfim, escrevi demais e falei de menos.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me parece que não é um jogo que agradará a todos, mas que terá a possibilidade de algumas pessoas curtirem em grupo. Estranhamente eu não vejo grupos de amigos se unirem pra jogá-lo como um World of Warcraft, mas imagino grupos de desconhecidos se tornando regulares, como Earth Defense Force

      Excluir
  2. Saber vender o peixe é muito importante, ainda mais no mercado de games.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas não adianta também convencer as pessoas a comprar se depois elas não gostarem, como foi a reação negativa a No Man's Sky

      Excluir