Lomadee

quinta-feira, 30 de maio de 2013

A Lenda de Emirin

Você já ouviu falar de uma game designer chamada Emirin? É bem provável que não, mas ela é responsável por vários jogos que fizeram parte da infância de fãs da Sega, em especial, Castle of Illusion. Após muitos anos no anonimato, finalmente foi possível sabermos quem ela era.

Emiko "Emirin" Yamamoto

Emirin era o pseudônimo de Emiko Yamamoto, uma designer ainda inexperiente que trabalhava na Sega nos anos 90. Seu apelido, Emi-rin, parece significar "amigável Emi" em japonês, porém em uma linguagem mais coloquial usada por adolescentes, talvez refletindo o fato de que ela ainda era uma jovem novata naquele tempo.

Tudo isso iria mudar no primeiro jogo que Emirin viria a dirigir, Castle of Illusion. Por incrível que pareça, a aventura de Mickey foi a primeira vez que a jovem designer teria total controle na produção de um jogo da Sega e de alguma forma isso o tornou único e diferente de muitos outros títulos de sua época.

Era um tempo em que a Sega estava na verdade sem mascote, pois o mascote do Master System, Alex Kidd, havia acabado de falhar em cativar o público do Mega Drive em 1989 com Alex Kidd in the Enchanted Castle, e Sonic the Hedgehog só viria a surgir e se estabelecer como mascote da Sega em 1991.

Castle of Illusion para Mega Drive

Castle of Illusion era de certa forma uma maneira de a Sega tentar estabelecer Mickey Mouse, o rosto mais conhecido daquele tempo, como seu mascote e por algum motivo acharam que era uma boa ideia deixar nas mãos de uma designer inexperiente. E o resultado foi inesperadamente positivo, livre de vícios da indústria da época.

Com o tempo, Emirin foi chamada para ainda mais trabalhos relativos à Disney dentro da Sega. Ela supervisionou a criação de outros títulos para o Mega Drive, como QuackShot e World of Illusion, série que é uma espécie de continuação do próprio Castle of Illusion.

Os fãs aclamavam os jogos, mas ninguém sabia realmente quem era o tal de Emirin que os assinava no final. O mais perto de saber sua identidade eram rumores, provavelmente provenientes do Japão, que indicavam que era uma mulher a designer dos jogos.

Em algum ponto na história de Emirin, perto do fim do Mega Drive, a Disney deve ter percebido o talento da moça para lidar com suas franquias e personagens em um ambiente de videogame. Foi quando a designer saiu de seu posto na Sega para assumir uma posição na Disney Interactive Studios, onde trabalha até hoje.

Magical Quest 3 starring Mickey & Donald

Pode-se dizer que Emirin morreu na Sega, mas sob o nome de Emiko Yamamoto ela passou a aparecer então nos créditos de vários jogos, como a série Magical Quest do Super Nintendo, a versão SNES de Aladdin, The Great Circus Mystery para Mega Drive e até mesmo a série Kingdom Hearts para PlayStation 2.

Por mais de 20 anos a identidade de Emirin permaneceu em segredo e havia se tornado um hobby pessoal meu tentar descobrir quem ela era. Quando Marcus Fielding, diretor da Sega Australia, disse que estavam trabalhando com a designer original de Castle of Illusion no remake, eu não acreditei.

"Será que estão mesmo falando de Emirin?". Incomodei a Sega (e até um pouco a Sony) por canais oficiais e não-oficiais tentando conseguir essa confirmação, a qual acabou por vir no mais recente vídeo do PlayStation Blog.

Atualmente, Emirin está envolvida na produção do remake de Castle of Illusion para Xbox 360, PlayStation 3 e PC, em um papel de consultora. E em respeito a sua lendária carreira, eu nem mesmo vou falar mal do novo jogo.

1 Dica para Ganhar Músculos Rapidamente


Para não dizer que essas propagandas do Facebook não servem de nada, essa me lembrou tanto do clássico Altered Beast para Mega Drive que tive que fazer essa montagem

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Analisando Sonic Lost World em 1 minuto


A Sega anunciou um novo título de seu mascote, chamado Sonic Lost World, que será exclusivo para o Wii U e 3DS, divulgando um trailer de aproximadamente 1 minuto do jogo. Ele é o primeiro de uma série de três Sonics exclusivos para o console e sairá em 2013. Vamos analisar aqui o que já podemos ver nesse 1 minuto.


O trailer começa mal. Muito mal. Por que? Texturas de Green Hill Zone. É, a primeira fase de Sonic Lost World é novamente inspirada em Green Hill Zone, a primeira fase de Sonic the Hedgehog para Mega Drive. Isso já era um mal sinal em Sonic Generations, imagine agora que o tema não é mais esse.

Essa mania de fisgar jogadores por nostalgia está se instaurando em empresas como Sega e Nintendo e é uma bandeira de aviso sempre que surge. Você quer dizer que se esse fator nostálgico não estivesse ali eu olharia mais torto pro resto do jogo? Quanta confiança no seu produto, hein.

A segunda coisa a se perceber é uma certa influência de Super Mario Galaxy, já que tudo parece flutuar em planetoides, pequenas seções controladas pelo jogador interligadas por trampolins e arremessos involuntários. Não é das piores influências, mas não é algo que o público vá aceitar bem e prejudica o level design e o conteúdo, pois mundos flutuantes não criam um mundo com o qual o jogador possa se conectar.


Poucas pessoas sabem, mas Super Mario Galaxy tem uma taxa de rejeição imensa. Muitas pessoas ficam confusas com a gravidade do jogo, com a câmera, com os movimentos rápidos, com as transições mais rápidas ainda. E isso tudo só tende a ser ainda mais acelerado em um jogo de Sonic quando em comparação a Mario.

Há alguns mistérios sobre a jogabilidade e isso já diz muito. Se houvesse algum grande mecanismo original que usasse o controle, ele seria mostrado no vídeo, pois seria o diferencial do jogo, então podemos esperar que o Game Pad não seja muito importante no controle.

Em uma matéria antiga para o TechTudo, falei sobre alguns conceitos que poderiam ser utilizados para mudar a jogabilidade de jogos já existentes. No caso de Sonic, sugeri a possibilidade de jogar com a jogabilidade em 3D em uma tela e 2D na outra. A Sega fez quase isso em Sonic Generations e acredito que isso já seria suficiente para empolgar mais os fãs de Sonic do que qualquer outra coisa.

A possibilidade de trocar entre 2D e 3D é uma vantagem que nem mesmo Mario tem sobre Sonic, pois a diferença de seus jogos bidimensionais e tridimensionais são gritantes, realmente jogos diferentes, enquanto Sonic muda um pouco na filosofia, mas mantém muitos conceitos semelhantes.


O porco-espinho deverá ter novos movimentos, como a corridinha na parede de Prince of Persia, o que não é nada demais, como quando Sonic Adventure 2 introduziu Grind. Porém, se virmos Power-Ups será um mau sinal. Sonic Colors tinha Power-Ups e eles eram incríveis, dentro de um ótimo level design.

Sonic Lost World já mostrou que tem um level design inferior devido ao conceito de planetoides e Power-Ups introduzidos nesse conceito ficariam forçados. Como em Super Mario Galaxy 2, onde eles são para resolver quebra-cabeças e missões, não para levar o jogador a novos locais.

Os vilões da vez serão os Monstars, um time de monstros que roubou o talento dos jogadores de basquete... ou algo parecido, não sei, não prestei atenção neles. Por mais que o Dr. Robotnik esteja por trás disso, ele já não será o vilão principal e os novos vilões não deverão ser tão marcantes, o que é uma pena e afetará o valor como um todo.


Sonic Lost World será um jogo mediano e até vai agradar um pouco aos fãs de Sonic Generations, mas dessa vez não há mais tanta nostalgia para segurá-los como antes, o que vai fazer com que eles se desanimem.

A Sega vai ser pega no contrapé, pois não esperava pisar em falso logo no primeiro passo, e isso deve abalar seus planos para a série, tendo que criar novos conceitos mirabolantes para os próximos. Mais ou menos como aconteceu com a planejada série Sonic 4, e olha que essa era numerado, ou seja, da série principal.

No fim das contas, Sonic Lost World não será tão bom quanto Sonic Colors.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Amazing Yoshi!

Um dos clássicos da internet, o Amazing Horse, ganhou a sua versão Mario Bros. O video foi feito por um animador brasileiro e ficou tão bom quanto original.