Lomadee

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Nintendo NX e o novo jeito de jogar


Recentemente o novo presidente da Nintendo, Tatsumi Kimishima, deu um punhado de "não declarações" a respeito do NX, já que elas basicamente não trazem nenhuma informação nova. Segundo ele, o console terá uma "Nova experiência", a qual será "Diferente do Wii U e 3DS".

Voltaire dizia "Se não pudermos encontrar algo prazeroso pelo menos encontremos algo novo", o que pode ser um ótimo jeito de levar uma vida, alimentada pela busca de novas experiências, mas funciona muito mal para se desenvolver um produto. Esse pensamento parece resumir toda a filosofia da Nintendo atualmente.

Aqui estamos mais uma vez esperando um novo aparelho da Nintendo, sem qualquer informação, pois ela quer nos surpreender quando mostrar finalmente o que ele terá de "novo". Há algum tempo a Nintendo também comentou sobre como seu trabalho é trazer "surpresas", pois "surpresas" trazem sorrisos às pessoas.

Esta forma de pensar não apenas é errada como vem sendo responsável por recentes fracassos na empresa, como o Wii U, o Nintendo 3DS e também jogos para essas plataformas. Se voltarmos mais, veremos ainda que desde o GameCube este pensamento já parecia estar atrapalhando o desenvolvimento de jogos.


Quando o Nintendo 3DS começou a ser criado, qual a primeira pergunta que eles fizeram a si mesmos? "O que vai ter de novo?". Pergunta repetida também quando o Wii U foi concebido. Curiosamente, é pouco provável que esta pergunta tenha sido feita na criação do Nintendo DS e do Nintendo Wii.

Tanto o DS quanto o Wii foram reações. "O mercado está encolhendo e as pessoas estão achando jogos complicados, como podemos reagir a isso?". Diferente da Nintendo atual que pensa "O mercado está expandindo, mas nós estamos encolhendo, o que temos de novo para reagir a isso?".

Constantemente inovação é confundida com relevância e algo original ou novo engana como se fosse uma evolução, quando na verdade nem segue na mesma direção, muito menos vai além. Isso é muito mais visível nos jogos da Nintendo do que realmente em suas plataformas, já que só trocamos de videogame em aproximadamente 5 anos.

Em vários jogos a Nintendo pega seus personagens já conhecidos, como Mario, adiciona algo novo, como o Fluud em Super Mario Sunshine do GameCube, e faz todo o jogo se desenrolar ao redor dessa nova mecânica. O público clama como se fosse algo maravilhoso, afinal é inovador e original. Porém o que acontece no jogo seguinte? Esse novo elemento é descartado.

Isso acontece frequentemente na maioria dos jogos da Nintendo e não coincidentemente, aumenta nas piores gerações da empresa. Pense em quantos jogos recentemente para Nintendo Wii U e Nintendo 3DS você já viu com essa fórmula de construção.

Super Mario 3D World com seus tubos transparentes e roupa de gato, Mario Kart 8 e a antigravidade, Pokémon X & Y e as mega evoluções, Star Fox Zero e os veículos transformáveis, Yoshi Woolly World e seu mundo de lã, New Super Mario Bros. 2 e a corrida por ouro.

Para onde irão essas brilhantes novidades nos próximos jogos? Para a lixeira. A intenção é apenas continuar distraindo os jogadores com pequenas mudanças para que eles não possam dizer que os jogos são sempre os mesmos. Não diferente de séries como Assassin's Creed, Call of Duty ou Fifa, a cada capítulo você verá uma "grande novidade" que não muda fundamentalmente o jogo, apesar adiciona um "twist" ou "spin".

Enquanto uma série puder se safar fazendo apenas essas pequenas alterações, ela não tem necessidade de se reinventar. Como por exemplo, Resident Evil, que introduziu um sistema de criar suas próprias munições (era um saco) no terceiro jogo, depois a capacidade de carregar duas armas ao mesmo tempo em Code Veronica, seguido por um sistema de dois personagens controláveis em Resident Evil 0.


A cada novo capítulo em que apenas algo superficial é alterado, a franquia fica mais fraca, agradando apenas aos fãs mais assíduos, os que clamam que toda inovação é extremamente positiva. Apenas quando a série se reinventou em Resident Evil 4, voltou a captar todos os níveis de jogadores novamente.

O mesmo acontece com consoles. A cada novo videogame que apenas tenta adicionar algo superficial, como um certo controle tablet ou um certo 3D sem óculos, perde-se mais público e semeia-se mais o desinteresse. Se o NX tiver este mesmo pensamento, apenas adicionar algo novo, ele está morto antes de ser lançado.

É preciso que haja uma revolução, não no hardware, mas na filosofia por trás dele, pois surpresa por si só não tornará o próximo console da Nintendo relevante. Foi mal, Voltaire, mas discordo do que você diz.

9 comentários:

  1. Rafael, você acha que regressar ao Wiimote é uma boa ideia? O foco maior deve estar no console ou nos jogos? (acho que você vai responder dizendo que deve estar na filosofia, mas fica aí a dúvida)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente a Nintendo queimou o Wii Remote. Um controle tão incrível, acabou ficando desgastado na forma que a Nintendo o utilizou e hoje causaria apenas confusão.

      Eles precisam muito voltar o foco para si mesmos, para melhorar a qualidade dos jogos deles e encontrar uma nova filosofia que valha a pena. Essa filosofia que vai determinar o tipo de jogo que vai surgir no console.

      Excluir
  2. Nintendo já era, ridiculo um novo console pouco tempo após o lançamento do Wii U(m lixo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente se queima com os consumidores mais fiéis que compraram até mesmo o Wii U.

      Excluir
  3. Discordo de tudo o quê você falou! A Nintendo sempre foi e será referência. O que ela cria, os outros depois copiam. Acho "pequenas mudanças", que você mesmo disse, fundamentais no mundo dos games. Principalmente para nós nintendistas. Não vejo graça nenhuma em FPS. Pode até ser bonito, mas sempre é a mesma coisa. Sai correndo e mata tudo. Já a antigravidade do Mario Kart 8 foi elogiada pela crítica internacional, assim como SM3DW, dentre outros. Quem tem o Wii U, como é o meu caso, tá de boaça! Videogame top com várias jogos excelentes. E o gamepad é muito massa! Deito em meu sofá e fico lá amarradão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente. Sem as inovações da Nintendo, o mercado de consoles não teria a mesma graça. Nem toda inovação é bem recebida, mas quando é, faz sucesso como o Wii e o DS.

      Aliás, falando no DS, de onde você tirou que o 3DS foi um fracasso? Ele vendeu muito bem. Foi um dos pilares de salvação da Nintendo nessa geração. Não chegou ao mesmo nível de vendas do DS original, mas vendeu muito bem mesmo assim.

      Além do mais, a nível de mercado, se a Nintendo fizesse só mais um console genérico como a concorrência, só com mais potência, no momento atual não daria certo. A maioria dos jogadores já tem um PS4 ou um XB1 e, mesmo que a Nintendo conseguisse recuperar as third parties, não vai comprar outro só para jogar Mario logo agora no meio do ciclo. Se a Nintendo quer que o NX venda bem, ela precisa de uma inovação que seja aceita. Algo diferente que atraia a atenção das pessoas, sem afastar os hardcore. É uma jogada arriscada, mas é a melhor opção para a Nintendo no momento.

      Excluir
    2. É um ponto de vista típico de fã da Nintendo achar que ela é a única empresa que inova e as outras copiam, mas todas fazem isso e a Nintendo é a única que copia mal pois é orgulhosa demais para copiar por completo.

      A Microsoft criou uma rede online unificada com um mercado de jogos digitais. A Sony criou um plano de assinatura no qual você recebe jogos todos os meses. O Steam criou a ideia de promoções relâmpago e vendas ocasionais com grandes descontos.

      Todas essas coisas mudaram a face do mundo dos jogos, foram copiadas pelos concorrentes e nada tiveram a ver com a Nintendo.

      Os jogos que ficam usando apenas "pequenas mudanças" na fórmula continuam sendo bem avaliados pela mídia especializada, como se a Nintendo fosse café com leite, mas o público está indo embora. Pokémon é um exemplo de série que tem um êxodo enorme, pois as pequenas mudanças não são o que o público quer.

      A Nintendo precisa parar de procurar por uma solução mágica, o inovar apenas por inovar, esperando que a tire do buraco. Ela precisa trabalhar duro e pensar em uma forma de ser relevante. E buscar a solução na inovação apenas quando necessário, não como se fosse uma mágica.

      Sobre o Nintendo 3DS ser um fracasso: as vendas dele foram muito abaixo do esperado, os custos causaram prejuízos à Nintendo, perdeu a hegemonia do mercado de portáteis para smartphones e afundou as ações da empresa. Muitos acreditam que apenas o Wii U é responsável por todas essas ações, mas os relatórios da Nintendo sempre listam que o Nintendo 3DS e tão responsável quanto.

      Excluir
  4. Tenho Wii U e comprei um PC a pouco tempo, acho que queria comprar um video game Nintendo porque nunca tive um, mas depois do PC penso que deveria ter comprar um PC antes do video game.
    Tudo Nintendo é caro e os jogos na Steam são muito mais baratos e investir num PC é melhor pois pode usar para outras coisas alem de jogar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jogar no PC é como coçar as costas com um taco de golf. Você pode fazer isso, mas não é pra isso que ele foi criado.

      A experiência que os videogames passam o PC não consegue passar. A questão do preço é uma tecnicalidade legal que permite que software pra PC entre mais barato no país, incluindo jogos, diferente dos de videogame.

      Excluir