Lomadee

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Os modos que sinto falta em Super Smash Bros. Ultimate


Super Smash Bros. Ultimate, Everyone is here!, mas... a maioria dos modos que eu gostava dos jogos passados da série não estão. Recentemente foi revelado o modo história de Super Smash Bros. Ultimate, chamado World of Light, porém confesso que não me agradou muito e fez pensar em como a falta de mais conteúdo single player me afastou do jogo.

Assim como a maioria dos jogos de luta, Super Smash Bros. Ultimate é focado no multiplayer, algo comum em Street Fighter 5, Tekken 7, Soul Calibur 6, todas as grandes franquias de jogos de luta nos altos dígitos. Porém, acredito que haja um bom público para conteúdo single player nos jogos. A maioria das pessoas não joga pela porção competitiva, apenas para brincar com os amigos, então mais conteúdo single player significa maior valor quando os amigos não estão por perto.


Super Smash Bros. Melee parecia saber bem disso e se por um lado muitas pessoas ainda jogavam porque ele era fantástico competitivamente, muitas outras o jogavam porque havia muita coisa para fazer nele. Gastei horas no modo "RPG" de Street Fighter Alpha 3, conheci a história de Jojo's Bizarre Adventure através do jogo de luta da Capcom e o reboot de Mortal Kombat se tornou um dos meus jogos preferidos devido à história single player.

World of Light parece para mim um modo single player muito parecido com o de Dragon Ball FighterZ. Inicialmente à primeira vista parece divertido, porém apenas traz lutas e mais lutas muito iguais, sem variedade o suficiente para dar uma profundidade extra ao jogo. Então ao invés de ficar falando como Ultimate não me agrada, vou falar dos modos que eu sinto falta de capítulos passados de Super Smash Bros.

Adventure Mode

De longe o que eu mais sinto falta, o Adventure Mode de Super Smash Bros. Melee te colocava em fases baseadas nas séries mais famosas da Nintendo, com design simplificado, inimigos e algumas batalhas especiais. Dentro dessas fases você podia explorar, ganhar troféus, perder vidas se não fosse cuidadoso, e em geral ver um pouco do conteúdo dessas séries que compõem o jogo.


Ele tinha essa parte importante de representar sobre o que são essas franquias, ver os mundos aos quais elas pertencem, é muito divertido passar pelo Reino dos Cogumelos com um personagem que não seja Mario ou atravessar um templo de The Legend of Zelda com alguém que não seja o Zelda e assim por diante. Realmente invoca a aura celebrativa de Super Smash Bros. de reunir todas essas franquias.

Vale lembrar que nessa época não havia história para o modo single player de Super Smash Bros., você passava por todas essas fases e batalhas simplesmente porque sim, e as rejogava infinitamente porque eram divertidas e você queria aumentar sua coleção de troféus. Um modo semelhante e com um pouco mais de variedade seria perfeito para um novo Super Smash Bros.


Subspace Emissary

Um grande problema que o Subspace Emissary tinha era ser comparado ao Adventure Mode, quando claramente ele não tinha a mesma pegada. Ele ainda trazia fases, inimigos e muitas das mesmas ideias, porém ele não trazia o mesmo conteúdo. A maioria de suas fases mal lembravam as fases dos jogos de verdade de onde saíram e seus inimigos eram em maioria genéricos. As fases eram mais como cenários de fundo do que realmente fases.


O modo Subspace Emissary era inferior ao Adventure Mode em praticamente tudo, exceto em alguns pontos. O primeiro, a história com cutscenes bem no estilo Vingadores em que todos os personagens se reúnem para enfrentar os inimigos. O segundo, ele contava com um modo cooperativo, o qual inevitavelmente já melhorava em muito a jogabilidade, com um estilo meio beat'em up. Eu sinto falta dessa parte cooperativa e acho que poderia haver mais. Por último, ele tinha ótimas lutas contras chefes exclusivos do modo.


Uma coisa legal que foi muito pouco explorada no Subspace Emissary era a capacidade de melhorar seu personagem com Stickers, adesivos. Cada personagem tinha base de seu troféu para colar adesivos e ficar mais forte, alguns adesivos maiores que outros, alguns com bônus melhores e o jogador tinha que fazer malabarismo para colar o maior número deles. Era como arrumar a maleta de armas de Resident Evil 4. Esse elemento quase de RPG é algo que poderia ser muito explorado em um single player da franquia.


Event Match

Esse modo teve sua estreia em Super Smash Bros. Melee e até esteve presente em Super Smash Bros. para Wii U e 3DS. Aparentemente ele não retornará para Super Smash Bros. Ultimate segundo informações, mas talvez apenas esteja em algum lugar mais escondido nos menus. Por ora vou acreditar que realmente não está lá ou ao menos que não será tão legal quanto em Melee.


As Event Matches são lutas especiais com condições variadas e às vezes até alguns elementos exclusivos, como foi o caso de Giga Bowser (também um chefe secreto no Adventure Mode). Essas batalhas tinham uma pequena história e características baseadas nessa história, como dano aumentado, apenas pokébolas como itens ou apenas bombas, além de lutas contra "chefes", os quais estavam ausentes no Wii U.


Cada porção de batalha também estava atrelada ao desbloqueio de novos personagens, afinal não dava pra ter um evento com Mewtwo se ele ainda não estivesse liberado. Então quanto mais personagens você liberava, mais eventos tinha pra jogar. Hoje com a possibilidade de DLCs gratuitos esse é o modo que mais teria a ganhar com eventos extras semanais ou mensais.

Conclusão

Para todo o conteúdo que Smash Bros costuma ter em seus jogos eu sempre fico abismado como normalmente não é investido o suficiente na experiência single player. O multiplayer competitivo permite que o jogo permaneça relevante durantes anos porém apenas para uma certa parcela de jogadores. Outros irão trazê-lo sempre para reuniões de amigos. Porém uma grande parcela irá eventualmente encostá-lo.

Considerando que se trata de uma série comemorativa com tantos anos de história Nintendo, ainda é impressionante pra mim que ela não se mexa para criar um modo single player viciante que mantenhas as pessoas retornando para jogar cada vez mais. Super Smash Bros. Ultimate ainda não é a versão definitiva do jogo que eu quero, pois apesar de "Todos estarem aqui", eles não estão indo a lugar nenhum.