Lomadee

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

O Dilema da Realidade Virtual

Recentemente uma nova tecnologia, não tão nova assim, vem se tornando foco de notícias no mundo dos jogos: Realidade Virtual. Assim como o efeito 3D, trata-se de uma ideia antiga que não pegou e agora está tendo uma nova chance de conquistar o público.

Vemos investimentos de grandes empresas em produtos do gênero, como o Oculus Rift, que foi comprado pelo Facebook, o Project Morpheus, desenvolvido pela Sony, e o Gear VR pela Samsung. Até mesmo o Google já entrou nessa com uma armação de papelão de baixo custo que transforma seu smartphone em um visor de Realidade Virtual improvisado.


Porém, será que a Realidade Virtual é o caminho certo para a indústria dos jogos? É realmente algo positivo para os videogames? É o que o público realmente quer? Por mais estranho que possa parecer, a resposta é "Não". Agora... será que vai fazer sucesso mesmo assim?

Essa pergunta pode parecer paradoxal, pois como algo que não é certo, positivo e nem mesmo é o que o público quer, pode se tornar um sucesso? Não seria então óbvio que ele vai falhar, assim como o efeito 3D falhou com o Nintendo 3DS e Avatar? A resposta está na falta de alternativas. A Realidade Virtual pode se tornar um sucesso não por ser boa, mas por ser nova, diferente, em um mundo sem a alternativa certa.

Sempre que falamos do fenômeno "Disrupção" no blog, o mencionamos de uma forma boa, como um bom produto que irá derrubar concorrentes, porém disrupção não é uma ação unicamente positiva. Disrupção significa alterar valores, vencer seus oponentes pelas fraquezas que eles não consideram fraquezas, mas não necessariamente os valores que serão impostos pelo vitorioso, serão positivos.

A Realidade Virtual pode acabar sendo um sucesso e se tornar relevante nos próximos anos, mas acabar trazendo valores negativos para a indústria de jogos. Isso porque, assim como o efeito 3D, a Realidade Virtual é uma extensão da cultura de jogos de PC, voltada ao jogador hardcore, uma cultura auto-destrutiva.

Caso precise de mais informações sobre as culturas de jogos Arcade e PC, confira este artigo.

A imersão proporcionada pela Realidade Virtual é imensa

Atualmente a cultura de jogos de PC está presente, obviamente, nos PCs, mas também no PlayStation 4 e Xbox One. Como mencionei em um artigo mais antigo, a cultura do PC preza pela imersão, por jogar sozinho, pelo isolamento natural do "canto onde fica o PC", desestimulando outros a observarem o que você está jogando.

Jogadores hardcore são naturalmente escapistas, pessoas insatisfeitas com as suas vidas que desejam viajar para algum outro lugar mais fantástico. Nesse ponto a Realidade Virtual ajuda no escape, pois aumenta a imersão, porém promove um nível de isolamento ainda maior do que qualquer outro videogame ou PC da atualidade.

Quando você colocar seu visor de Realidade Virtual, irá se desconectar de sua família e das pessoas a sua volta para entrar em outro mundo. Há poucas chances de que você terá múltiplos visores para todos jogarem e isso criará uma barreira, um mundo secreto além do alcance dos não-jogadores. Uma experiência extremamente isolada, impedindo que novas pessoas vejam você jogar e se interessem pelos jogos, diminuindo a empatia com o meio.

Shigeru Miyamoto, criador de Super Mario e The Legend of Zelda, comentou exatamente isso durante a E3 2014, que quando você pensa em realidade virtual, pensa em alguém botando um tipo de visor e jogando sozinho em um canto, um quarto separado, passando todo o seu tempo em um mundo virtual.

Ainda falando sobre a Realidade Virtual, Shigeru Miyamoto completou: "Eu tenho um pouco de desconforto sobre esse ser o melhor jeito das pessoas jogarem". Mas então, se a Realidade Virtual não é o melhor jeito de jogarmos, qual é?

Shigeru Miyamoto não curtiu muito o Oculust Rift

Esse é o problema. O jeito certo, ainda não existe. E o pior, não parece estar nem sendo planejado. A Realidade Virtual é o próximo nível da cultura de jogos do PC, do jogador hardcore, porém essa cultura é auto-destrutiva e não temos alternativas, não temos o próximo passo, de uma cultura saudável.

A cultura de jogos saudável, que promove o crescimento do mercado e a interação com outras pessoas, é a cultura de jogos arcade. Você já deve ter experienciado a cultura de jogos arcade nos fliperamas, mesmo sem ter completa noção do que ela realmente significa.

Enquanto na cultura de PC os jogadores são escapistas tentando fugir, na cultura arcade eles são pessoas satisfeitas com sua vida, tentando trazer o jogo para complementá-la, não para esquecerem-se dela. Se de um lado temos imersão, a tentativa de entrar no jogo, do outro temos a "emersão", uma vontade de trazer o jogo para fora da tela.

Muitos fliperamas tentam trazer a experiência para o lado de fora com acessórios, como pistolas para Virtua Cop, chassis de moto para jogos de corrida, mas o que realmente faz um jogo ser "emersivo" não são acessórios, mas a real vontade dele de sair da tela, de disputar espaço no nosso mundo.

Como a indústria prefere trabalhar para a cultura hardcore, temos hoje o avançado desenvolvimento da Realidade Virtual, mas não estamos vendo tecnologias do mesmo nível para a a cultura arcade. O máximo que temos hoje em dia são bonecos como Skylanders, Disney Infinity ou Amiibo. Onde estão os hologramas interativos? Óculos de realidade aumentada?

Ao mesmo tempo em que a Realidade Virtual atinge seu auge, as ferramentas para interagir com esse novo mundo ainda são mínimas, como se os criadores da tecnologia pensassem mais a respeito de como exibir imagens para você as assistir do que permitir que você interaja com elas.


Se tivéssemos um confronto direto entre tecnologias, uma sendo a Realidade Virtual, na qual você coloca um visor e entra em outro mundo, e outra ainda desconhecida, na qual você coloca um visor, uma luva ou um projetor, e consegue mexer em objetos virtuais com suas mãos, a segunda opção venceria com certeza.

No entanto, a Realidade Virtual está competindo sozinha. Está competindo com jogos comuns, e é contra eles que ela pode vencer. Jogos de terror que dão mais medo do que tudo que você já viu, jogos de mundo aberto que nos fazem explorar como nunca antes, jogos de sobrevivência que fazem com que você se sinta completamente isolado.

A Realidade Virtual pode gerar novas emoções excitantes usando velhas técnicas chatas. Apesar de a experiência ser toda voltada para o jogador hardcore, o grande público pode se conectar com essas emoções e tornar a Realidade Virtual um sucesso, mesmo que ela se prove apenas uma miragem no deserto.

8 comentários:

  1. Já eu, acho que essa nova jogabilidade trará um bom diferencial pra indústria. Entretanto, "bombará" nos primeiros meses e depois perderá o foco. Não temos hardware nem dinheiro para dois ou mais òculos numa casa. Desta forma, será mais uma tentativa da indústria a nos obrigar a gostar de algo.

    Quando puder, por favor, faça análise do que achou do New 3DS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Financeiramente não é o momento de lançar um produto caro, e como disse no texto, não é nem o que o público quer, nem o que ele precisa.

      Porém, tudo que mexe com emoções tem a chance de cativar as pessoas de uma maneira inesperada. Os mesmos jogadores que não pagam por 3D, porque sentem que não adiciona em nada, podem experimentar a Realidade Virtual e sentir emoções reais

      Quando os filmes mudos perderam espaço para os falados, assim como musicais, nem sempre a qualidade do filme falado era superior à do mudo. Porém, era tão novo, de tal forma que ninguém queria mais os filmes mudos.

      New 3DS não tem muito o que falar, terceiro ano, quarta revisão de hardware, é desespero puro :( Talvez lembre desse artigo antigo sobre o 3DS XL:

      http://www.nabaladadomariobros.com/2012/07/por-que-lancar-o-nintendo-3ds-xl-agora.html

      "o Nintendo 3DS XL é focado diretamente no público hardcore, mas não qualquer público, exatamente o mesmo que já comprou o Nintendo 3DS. (...)

      (...) A Nintendo quer enganar seus investidores com múltiplos portáteis para a mesma pessoa, dando a impressão de que tem mais clientes do que realmente tem"

      Excluir
  2. Será que realmente vai dar certo? Parece que vai vir mostrando ser um produto inovador e depois de algum tempo será esquecido, eu mesmo não me vejo jogando nisso, porém, com tanto investimento no aparelho, acho que posso estar errada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vai dar certo, realmente só o tempo dirá, mas não descarto a possibilidade de dar certo

      Excluir
  3. Só li groselhas... E quando chegou na parte de "Jogadores hardcore são naturalmente escapistas, pessoas insatisfeitas com as suas vidas que desejam viajar para algum outro lugar mais fantástico", tirei ainda mais créditos da validade do artigo. Eu sou um jogador hardcore, tenho amigos que são jogadores ainda mais hardcores, meus irmãos são jogadores mais hardcores que meus amigos e mesmo assim, pelo menos um dia no final de semana, tá todo mundo reunido jogando junto num mesmo ambiente, brincando e tals. Conheço mais uma infinidade de pessoas que também são jogadores assíduos e não se isolam do mundo por isso. Ora essa, naturalmente insatisfeito com a vida... Acho que você é que não anda muito satisfeito com a sua, aí precisa diminuir os outros pra se sentir melhor. São pouquíssimos os casos de pessoas tão depressivas a ponto de submergirem no mundo virtual, ignorando qualquer contato com o mundo externo. Acho que tu anda vendo filme demais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você joga uma vez por semana algo inclusivo e todo o resto da semana algo que te isola, não deixa de ser escapismo

      Quando se reúne com seus amigos, você joga o que? Não podem ser jogos hardcore. Call of Duty não vai ter tela dividida, você vai ter que apelar para um outro tipo de jogo

      Excluir
  4. "Jogadores hardcore são naturalmente escapistas, pessoas insatisfeitas com as suas vidas que desejam viajar para algum outro lugar mais fantástico"

    Fiquei um tempo pensando nisso. Não sei se você está certo ou errado(apesar de ter concordado no momento em que eu li o artigo), mas me parece mais que você caiu naquele pensamento de que jogadores de vídeo-game(no caso, os hardcore; PCGamers) são pessoas infelizes com as suas próprias vidas, e que por isso precisam de uma nova; o que os faz escapar para um mundo alternativo; o virtual.

    O problema é: Por que jogos? Ou melhor: Por que só os jogos? Ficou muito específico. Eu sempre achei que deveria ser colocado que outras coisas alem de jogos criam essa situação, e nem são consideradas ruins(muito pelo contrário são até recomendadas). Como livros, filmes, novelas, seriados, música e a própria internet. Não consigo concordar com esse pensamento voltado tão fortemente a vídeo-games; talvez por ter vivido a época do: Vídeo-game faz mal!

    No fim, ao considerar tantas outras áreas onde ocorre a mesma situação(que aliás pra mim está na mesma intensidade dos jogos), a conclusão é de que toda a sociedade estaria tendo sérios problemas; não que seja impossível, aliás é o que está acontecendo. Bem o que eu quero dizer é que soou como algo apenas voltado a jogadores hardcore.

    Eu por exemplo. Estou vivendo um período ruim onde eu estou me isolando. Geralmente eu gosto de jogar vídeo game, mas ultimamente eu não consigo jogar nada. Nem fazer nada também. No máximo eu fico no computador. Tenho vontade de fazer um monte de coisa e ao mesmo tempo não tenho vontade de fazer nada. O nome clínico disso, se eu não me engano, é distimia(http://pt.wikipedia.org/wiki/Distimia), mas não vou entrar em detalhes. Com isso apesar de eu não ter certeza se eu estou ou não fugindo para um mundo meu, a melhor interpretação até agora é de que sim eu estou fazendo isso.

    Mas quando eu estou assim não consigo jogar vídeo-game nenhum. E com isso tudo eu acabei percebendo que eu só jogo vídeo-game quando eu estou bem.

    Até onde eu sei, eu sou um jogador hardcore. Mas só quando eu estou bem! Ou seja, num momento onde eu estou menos propício a escapar para outro mundo. Isso poderia acontecer da mesma forma com outros jogadores. Só porque alguém gosta de vídeo-game não quer dizer que esta pessoa esteja necessariamente fugindo da realidade; pelo menos não se você descartar todas as outras áreas onde isso acontece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser hardcore e escapista não é algo negativo, se te dá prazer jogar esse tipo de jogo, você tem mais é que jogá-lo mesmo. Não é errado fugir para um mundo fantasioso, porém promove o seu isolamento.

      Normalmente criticamos o jeito hardcore de fazer as coisas pois hardcore deve ser nicho. Por exemplo, pode e deve haver jogos imersivos, para pessoas escapistas, porém eles não deveriam ser a maior parte do mercado como são atualmente.

      Isso porque a cultura hardcore é auto-destrutiva, ela promove isolamento, não tenta conquistar mais jogadores, apenas foca-se nos que já tem, etc.

      Excluir