Lomadee

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Por que Fóruns de videogame deixam as pessoas mais burras?


Este é um artigo que estava querendo escrever há algum tempo, pois aponta um dos problemas com os jogadores hardcore e sua incapacidade de perceberem as coisas, o fato de que eles se reunem em grupo, em fóruns de videogame, para discutir. Isso os deixa mais burros. Mas por que?

Como é possível ver em outros artigos, sou um grande defensor da inteligência coletiva, que a massa é mais inteligente do que o indivíduo, porém, para isso ocorrer, é necessário que certas condições sejam cumpridas. Esse processo foi explicado melhor em "A Sabedoria das Multidões", de James Surowiecki (não que eu recomende a leitura).

No livro, encontram-se exemplos de inteligência coletiva e como ela funciona. Pega-se um grupo e dele se extrai respostas para uma pergunta. Une-se todas as respostas e tira-se uma média. Esta média será mais inteligente que a resposta do indivíduo mais inteligente do grupo, ela é a inteligência coletiva.

Um dos exemplos do livro é bem simples, contando de uma exposição de gado em 1906. O cientista britânico Francis Galton analisou a resposta de várias pessoas tentando adivinhar o peso de um boi gordo. Os fazendeiros que entendiam do assunto, erraram o peso por uma margem de erro maior do que a média de respostas das pessoas que não faziam a menor idéia do que estavam fazendo lá.

Mas a exposição de gado era um exemplo muito simples e pouco refinado, então Surowiecki cita outro, o desaparecimento do submarino Scorpion. Em maio de 1968 o veículo desapareceu quando voltava para o porto nos Estados Unidos após um último contato pelo rádio e ninguém sabia seu paradeiro.

As muitas possibilidades do que poderia ter acontecido, traçavam uma área de busca de trinta e sete quilômetros de diâmetro, impossivel de se cobrir por completo. A marinha procuraria então alguns especialistas que dariam uns três ou quatro pontos onde eles deveriam procurar e teriam que ficar satisfeitos com isso.


No entanto, um oficial da marinha tinha um plano diferente. Em Blind's Man Bluff (O Blefe do Homem Cego), John Craven comenta como resolveu essa situação. Chamou uma equipe da marinha e ao invés de pedir que ponderassem e chegassem a uma solução, começou um bolão, com uma garrafa de uísque Chivas Regal para aquele que vencesse.

Cada pessoa apostava no que teria acontecido e onde o submarino estaria, visando acertar por interesse próprio. O resultado final é que, a opinião coletiva do grupo, todos individualmente tentando acertar, apontou o campo de busca para pouco mais de 200 metros de onde o Scorpion estava, apesar de estar trabalhando praticamente sem informação.

Essa inteligência coletiva não só existe, como e valorizada, sendo utilizada no que chamamos de Mercados de Decisão, ou Mercados de Previsão, entre outros. No fundo, é também o que gerencia o mercado de ações, com todos individualmente tentando acertar o valor de uma empresa, temos maior chance de determinar qual o valor correto dela. (Não que o mercado de ações seja perfeito, mas isso não é assunto pra esse artigo)

Os sociólogos Jack B. Soll, que dá aula de Tomada de Decisão Gerencial, e Richard Larrick, que ensina várias disciplinas no ramo de liderança e organização, ambos da Fuqua School of Business, dizem que temos esse hábito errado de caçarmos o especialista.

No experimento de Asch (1955), um grupo de pessoas deve olhar para uma sequência de cartões, cada um contendo três linhas de tamanhos diferentes e dizer qual dessas três tem o mesmo tamanho de uma linha de controle designada no início. Começa parecendo um teste de visão.

Você é colocado em quinto lugar na fila e as pessoas vão fazendo o teste. Você consegue vê-las à sua frente e consegue ver a decisão delas. Todas elas acertam todos os cartões, exceto o último, onde você acha que a segunda linha é a mais semelhante à linha de controle, porém, todos os outros responderam ser a terceira.

O único objeto de estudo ali, é você. Os outros participantes são apenas atores, com ordens para escolher erroneamente a terceira linha. Três de cada quatro pessoas vão contra sua própria opinião para acreditar na opinião do grupo e dizem que a terceira linha é igual, ao invés da resposta correta, que seria a segunda.


Isto é pura evolução humana. Como grupo, somos mais inteligentes para assim garantir a melhor chance de sobrevivência possível. Porém, apenas quando somos individuais, nos tornamos mais inteligentes como grupo, caso contrário, produzimos cascatas de informação errada, como acontece no experimento de Asch e nos fóruns.

Para que um grupo seja realmente inteligente, os indivíduos do grupo não devem estar cientes de que fazem parte de um grupo. Todos dentro deste grupo devem agir individualmente buscando encontrar a melhor solução para que o conjunto de suas idéias seja a resposta mais inteligente para um problema.

Porém, quando um grupo toma ciência de que é um grupo, os indivíduos dentro dele param de buscar soluções e passam a buscar aceitação. Acreditam que é melhor errar com a maioria do que acertar sozinho, fenômeno descrito por John Maynard Keynes em "Teoria Geral do Emprego, do juro e da moeda".

Um indivíduo dentro de um grupo não vai querer impôr uma opinião muito diferente da maioria do grupo, pois será criticado. Por isso em fóruns ao invés de encontrarmos pessoas inteligentes com pontos de vista diferentes, encontramos um inconsciente coletivo do que é considerado o certo, o qual por sua vez é a opinião mais morna que ofenda ao menor número de pessoas possível.

O ser humano é imitador por natureza, e isso pode ser bom, quando aprendemos através dos outros, mas pode também ser ruim, quando somente fazemos o que os outros fazem por aprovação social. Temos medo de ir na direção contrária e sermos ridicularizados ou deduzimos que se ninguém o está fazendo, é porque não vale a pena.

Caso vocês se lembrem do vídeo da Brasil Game Show 2010, talvez tenham reparado em algum momento a fila do evento. Havia duas filas, uma gigantesca que virava a rua e uma com pouco menos de cinquenta pessoas. As pessoas da fila grande, não sabiam por que estavam lá, eu ao invés de entrar nela e esperar, dei a volta e entrei pela outra fila.

Essa imitação é exatamente o mesmo mecanismo de segurança que vemos nas formigas. Quando afastadas da colônia, elas têm uma regra básica de sobrevivência: "Siga a formiga da frente", e isso irá salvar suas vidas na maioria dos casos. Existe porém, um evento onde as formigas se prendem em círculos, cada uma seguindo a outra da frente, em looping, até morrerem de fome. São chamados de Circular Mills.



Fóruns de videogame entram em Circular Mills, onde continuam afirmando a mesma coisa e ridicularizando os pontos opostos, sem nunca considerar o que as pessoas falam. Isso leva a bolhas, como acharem que o Nintendo 3DS será um sucesso. E curiosamente, onde há um grupo de "especialistas", está a pior opinião possível.

Por exemplo, no post "Os primeiros meses do Nintendo 3DS", vemos como as pessoas foram agressivas e irônicas com uma opinião contrária, enquanto afirmavam com certeza que o portátil seria um sucesso, algo que claramente não aconteceu. Na verdade, onde esse artigo foi postado, as pessoas ainda reagem com agressividade e negação.

Em todas as comunidades que eu visitei, por volta de 90% das pessoas discordavam do artigo "Porque o Nintendo 3DS vai falhar", dizendo que ele seria um sucesso. Não precisei ir muito longe porém para achar um grupo mais inteligente.

Aqui mesmo, nos comentários do blog, 50% achavam que ele falharia, sendo que este número nem mesmo é confiável, já que parte dos comentários, vieram das comunidades mencionadas, mas já demonstra uma grande diferença de acerto.

Isso significa que quanto mais longe de um fórum de videogames, mais inteligente era o grupo.

8 comentários:

  1. Olá,

    Pelos seus posts, percebi que 'talvez' você esteja no mercado de ações (dado os exemplos) também. Opero meu próprio capital na Bovespa, mas como sou programador, escrevo meu próprio robô num servidor VPS pra me ajudar nas operações intraday (swing trade no 60 min, acho o mais lucrativo, por isso o robô, senão teria que ficar grudado na frente do PC o tempo todo durante o pregão).

    Conheci um livro que cita mais ou menos esse lance do pensamento estúpido dentro de uma massa social, "Extraordinary Popular Delusions and The Madness of Crowds" de Charles MacKay (por coincidência num site sobre a bolsa, SenhorMercado.com.br). Talvez você até já tenha lido, mas fica aí a dica. É de domínio público.

    No mais, excelente blog, concordo com a maioria das suas opiniões e admiro seu senso crítico. Seguirei acompanhando os posts subsequentes.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. O 3DS não é um fracasso. Desde o corte em seu preço suas vendas equiparam-se ao do DS nos mesmos períodos do ano. E olha que o 3DS ainda não tem Mario, Mario Kart ou Pokémon.

    Dizer que a queda de preço é sintoma de fracasso é dizer que o Iphone é um fracasso. Sim, a Apple cortou 200 dólares do preço do Iphone 2g apenas 2 meses depois de seu lançamento http://veja.abril.com.br/120907/p_082.shtml.

    Tentar medir o sucesso de um videogame pelos seus primeiros 6 meses é burrice. Prever o sucesso ou fracasso de um videogame que ainda não tem nada divulgado é burrice. Dizer que uma empresa que tem US$10 bilhoões em caixa e algumas das marcas mais valiosas do entretenimento digital vai falir é burrice. E para ser tão burro assim não é necessário postar em um fórum. Pode ser em um blog mesmo...

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente o seu discurso hater vai aos poucos minando a credibiliadde do blog, que se continuar nessa linha também não vai deixar as pessoas mais inteligentes.

    Você "previu" o fracasso do 3DS alegando como motivo a suposta falta de apelo ao "público expandido". Só que o começo ruim não teve nada a ver com isso. Se você frequentasse mais fóruns de videogame, saberia o porquê.

    Se você frequentasse mais fóruns de videogames, descobriria que o tal "público expandido" já é "Oceano Vermelho" há muito tempo. Aliás, a concorrência nesse mercado talvez esteja até mais acirrada do que entre o público tradicional. Na época do DS não tinha iPhone/iPad, Android nem jogos sociais. Imagine esse mercado daqui a 5 anos?

    Mas o assunto aqui é inteligência coletiva, e não há melhor exemplo disso do que a boa e velha sabedoria popular. Ela nos ensina, por exemplo, que "mais vale um pássaro na mão que dois voando".

    Só sendo muito burro pra não entender isso.

    ResponderExcluir
  4. parei de ler na metade....logo percebi que vc é um idiota!
    vai caçar uma mulher e para de falar merda!

    ResponderExcluir
  5. Vim pelo Ocioso e gostei muito de ler o seu post.

    Não concordo muito com o título sobre deixar as pessoas mais "burras". Pra mim o termo mais correto seria "ignorantes".

    Outro aspecto dos fóruns é que muitas pessoas simplesmente não argumentam pra chegar a uma verdade, mas sim pra imporem uma opinião vencedora. Com o apoio da maioria, fica então mais fácil vencer o pobre coitado que tenta expor seus pensamentos individuais.

    Concordo quando você diz sobre os Circular Mills, ainda mais quando os fóruns em questão são de consoles ou jogos específicos. Inclusive eu acho mais fácil conversar sobre um assunto quando o tema do fórum é mais generalizado.

    ResponderExcluir
  6. Cara numa boa, você passou uma imagem de pessoa intelectual ao escrever esse artigo, citando varias fontes, mas cometeu um erro pitoresco. Você generalizou meu amigo!

    Não é porquê você vê aquela meia duzia de nerds imbecis no fórum UOL se matando por causa de marcas, que todos os fóruns são absolutamente iguais. Frequento varios fóruns de videogames e em varios o nivel de discussão é muito mais elevado.

    Boa sorte em seu próximo artigo. Pois nesse você pisou na bola e pior, nem percebeu.

    Mesmo assim parabéns pelo seu blog.

    ResponderExcluir
  7. Interessante a teoria. Eu já fui um grande frequentador de fóruns de Jogos de Luta até uns 2 anos. Os melhores postadores de fóruns se enquadram nessa teoria e se tornam os mais polêmicos. Não encontro ninguém hoje que consiga sobreviver sozinho, por muito tempo, escrevendo o que pensa em um fórum sem construir um bom argumento e ter seguidores. No fim, ele se cansa e acaba se corrompendo com as opiniões tradicionais da maioria.

    No caso da KOF Battlefield (o primeiro que frequentei) tinha o Neo Geese. Esse usuário conseguia trazer discussões válidas, embora algumas duras, a comunidade. Muitos não concordavam com suas opiniões relacionadas ao game TKOF. Mas eu aprendi a respeitá-lo e entender alguns de seus motivos com o tempo.

    E sinto que hoje faz falta ter um usuário como ele numa comunidade de games. Alguém que possa fazer os usuários a movimentar suas idéias de formas diversas sobre um mesmo assunto. Um exemplo é que um tópico, que hoje poderia render 2 posts, rendiam uns 100 ou mais com a presença dele. Despertando interesses, opiniões e participações diversas. Sem brincadeira (um exemplo disso é acompanhar seus posts antigos no Orkut, como SNKeeper).

    Hoje, eu acredito que os fóruns de games são mais pacíficos, mais agradáveis e mais focados em games sim, mas também são mais limitados e censurados nas discussões. Escrever "Sim" e "Não" é quase a mesma coisa.

    A "padronização" de um perfil de qualidade (o que pode ser "bom" e o que pode ser "ruim") é um problema que também ocorre em outras comunidades: música, futebol..

    O artigo em questão pode ter um Título Ofensivo para muitos (inclusive nas comparações) mas se eu for observar, com a experiência que passei pelos fóruns, é uma maneira de observar o quanto os eles estão se perdendo. E isso não é só com fóruns. Eu consigo ver isso em outras redes sociais também. Na internet, uma comunidade que deveria ser variada nas discussões vira um fã clube sem muitas opções.

    ResponderExcluir
  8. É Sheridan, acho que com os últimos números de vendas do 3DS acho que o burro aqui é você...

    ResponderExcluir