Lomadee

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A Nintendo traiu seus valores...de novo!

Antes mesmo do Wii ganhar um nome, muito se sabia sobre ele graças a seu codinome de grande impacto, Revolution. Esse nome foi dado ao projeto em si e não apenas ao console, que mais tarde receberia um nome mais peculiar. A ideia era clara, o próximo vídeo game da Nintendo iria revolucionar o mercado. Como? A Nintendo constantemente em palestras e entrevistas mostrava aos jornalistas , investidores e ao publico quais eram suas novas estratégias para o mercado de jogos eletronicos.



A família viria em primeiro lugar. Os vídeo games não seriam apenas vistos como um passatempo de homens que esqueceram de crescer e sim como algo saudável e divertido. A partir dessa ideia surgiram os controles de movimento, o corpo do Revolution mas não a sua alma. Muitos até hoje acreditam que a revolução anunciada pela Nintendo provem dos sensores, só que o buraco é bem mais em baixo. Vamos voltar no tempo.

1985, ano do lançamento do NES (Nintendo Eletronic System) no ocidente. Que beleza! Seus pais usavam shorts coloridos , cabelos cacheados, ouvindo Blitz e lutando contra a ditadura. Pouco antes do lançamento do NES o mercado de jogos estava afundado no rio Tiete. E mesmo após o sucesso do Atari, a maioria não acreditava mais no mercado de jogos voltado para o grande publico, e que o destino seria os computadores, as verdadeiras evoluções dos vídeo games.



Computadores pessoais começaram a se popularizar no inicio dos anos 80. Não se sabia ainda o que se podia fazer com um computador em casa. As principais caracteriscas usadas para atrair o publico eram aplicativos de auxilio aos estudos e jogos. Olha eles aí de novo! Computadores não apenas rodavam jogos, como também muitas outras coisas como... digitar textos em uma tela escura. Ah e fazia alguns cálculos. Engraçado como essas incríveis maquinas eram tão úteis quanto uma tábua de passar roupa. Eram grandes, caros, pesados e complicados. Eles te auxiliavam no trabalho para ornagizar textos, mas era mais fácil ter um no escritório e não em casa. Os computadores pessoais não se popularizaram como a industria esperava, e alguns fracassos como Commondore e Amiga foram cruciais para muitos questionarem "As pessoas realmente querem um computador?". Enquanto os complicados computadores fracassavam, um computador familiar surgia no Japão e se tornara um sucesso instantâneo. Ele se chamava Famicom.

Menino Chato:"Pérai pérai...eu já ouvi esse nome antes..."

Sim, é o nome dado ao NES no Japão.

Menino Chato:"Ahahahaha qualé, achei que tivesse mudado o assunto pra computadores."

Não mudei. Na escala da evolução os video games vieram antes dos computadores pessoais. Temos que lembrar que video games também são computadores, só que voltados para entretenimento grafico. O Famicom era um computador também, mas ao invez de oferecer ferramentas inuteis, ele oferecia entretenimento. O nome Famicom é uma abreviação também, o nome completo do video game da Nintendo no Japão é Family Computer. Um computador para a familia.

Ao contrario do Commondore e do Amiga, o Famicom era facil de ser instalado, facil de ser usado e muito divertido. A estratégia da Nintendo era quebrar a idéia de que jogos eletronicos deveriam vir em complexas ferramentas, retornando ao principio dos video games como o Atari.

Famicom não vinha com um monitor, eles era conectado na TV pois assim todos poderiam experimentar juntos. Vinha com um controle com poucos botões e bem confortavel. Além dee muitos jogos unicos que eram facilmente instalados.

Uma comparação do Famicom com o Commandore por exemplo, perceba como hoje chega até ser obvio como o Famicom era muito melhor que os concorrentes, mas que na época parecia o contrario. Commondore era mais robusto e tinha multifuncionalidades que o NES nem sonhava em ter(ainda). Só que o publico queria jogar, e para isso o NES era muito superior.

Antes que me chamem de louco ...

Menino Chato: "Louco..."

...em afirmar que os computadores pessoais eram mal vistos pelo publico na decada de 80, o que ocorreu é que simplesmente ninguem via um real valor em um computador pessoal em casa , exceto cientistas e estudiosos em geral. Apenas com a popularização do Windows e o pacote Office a situação mudou, isso já na década de 90.

Agora vamos viajar 20 anos no futuro!

Menino Chato: "McFly é você?"

Err... Em 2005 a Nintendo anuncia o Revolution. Mas ele revolucionaria o que afinal? A propria Nintendo!

Menino Chato: "A idéia não era revolucionar o mercado? Você mesmo disse isso seu maluco!"

Sim, eu disse. E revolucionando a Nintendo ela automaticamente revolucionaria o mercado. A idéia era simples, voltar as origens da empresa. Percebam o paralelo entre Wii e NES. Jogos de esporte, Mario 2D, jogos simples e divertidos como Wii Play. Está tudo ali, de novo! Familia novamente como foco ao invez de adultos crianças.

Agora a grande questão é: O que aconteceu com a Nintendo depois do NES? Ela, junto com a industria, se fechou no circulo vicioso de dar mais e mais pro mesmo publico. Chamo isso de sobrecarregar o consumidor. Imagine que você gosta de café. Derrepente todo mundo começa a focar em produzir café e mais café. Cafés de todos os tipos e sabores, mas ainda é café. O mesmo gosto amargo de sempre, mas com cheiros e cores diferentes. Você tem tantas opções de café que nenhum lhe agrada, não porque você não gosta mais de café, mas simplesmente por que há produtos iguais fingindo serem diferentes. Você compra um e ja tem todos, logo nenhum mais lhe agrada. Pela lógica os produtores deveriam fazer produtos diferentes, não? Errado. Fazer algo diferente é arriscado demais, então continuam com uma corrida por excelencia nos mesmos valores. Jogos com melhores graficos, mais realistas, mais cinematograficos. Sempre mais e mais nos mesmos valores estabelicidos. Não é atoa que volta e meia um novo lançamento recebe o titulo de "jogo mais incrivel de todos os tempos", claro, se baseando nesses valores que eu citei. Parte do publico é negligenciado pelo mercado simplesmente porque os valores que eles exigem não são os valores que a industria acha certo.

Menino Chato :"Ta ta onde o Revolution entra nisso?"

Bom, é evidente. Se a idéia da Nintendo é retomar valores abandonados por ela e por todos os outros desenvolvedores, ela facilmente remaria para mares onde não há a disputa fervorosa. Teria agora outros valores em disputa, mas nessa caso sem nenhum adversario ainda.

Enquanto muitos choramingavam que a Nintendo havia saido dos trilhos, estava envergonhando os seus fãs (grande coisa), ela na verdade estava retomando as origens. Não se deixe enganar, o NES recebeu as mesmas acusações que o Wii. Jogos para crianças, para mamães e velhos. Jogos para quem não sabe jogar de verdade (afinal quem sabia jogar video game tinha que jogar os "divertidos" jogos dos computadores dos anos 80).



O Revolution era a retomada de valores, e não propriamente uma invensão. O Wiiremote nada mais é do que a evolução natural do controle clássico do NES. Dito e feito, o Wii se tornou o console mais vendido da Nintendo, que pertencia, vejam só, ao próprio NES.

Agora a história triste dessa epopéia. A Nintendo está entrando no circulo vicioso da industria de novo. É como se separar do cafageste que te bate e se casar com outro na esperança de que agora será diferente. A Nintendo acredita que ela tem o poder de ditar as regras do mercado agora. Basta inovar e inovar. O novo circulo vicioso da Nintendo é criar novas tendencia, sempre e sempre, mesmo que o publico não queria mais. Mesmo que o publico já esteja satisfeito com o que a Nintendo oferece em termos tecnologicos. O que o publico quer são novos jogos, o que a Nintendo quer são novas tecnologias.



Ela realmente acredita que o sucesso do Wii se deve ao valor tecnologico dos sensores de movimento, e não dos valores dos jogos. Ela acredita que o fracasso do Kinect e do Move se deve pelo fato dela ter entregado a tecnologia muito tempo antes, e não pelos jogos deles serem horriveis.

O 3DS vai fazer sucesso por ser o primeiro com 3D sem oculos, e o WiiU por ter um tablet-controle. Nesse mundo dos sonhos da Nintendo onde ela dita tendencias tecnologicas, os jogos são coadjuvantes. Ela está traindo os seus valores pela segunda vez, e pela segunda vez, vai amargurar um ostracismo de vendas.

Não se engane pelas altas vendas de fim de ano do 3DS. Mario Kart 7 foi o principal responsavel pela essas altas nas vendas, lembrando que até o Game Cube explodiu em vendas com Mario Kart.

Uma pena que o ciclo vicioso da Nintendo voltou, ou talvez nunca tenha saido de fato, apenas tenha diminuido. É como diz o velho ditado: Chegar ao topo é facíl, se manter nele que é difícil.

14 comentários:

  1. "O que o publico quer são novos jogos, o que a Nintendo quer são novas tecnologias."

    Isso é a mais pura verdade, que até os mais fã-boys da empresa terão que admitir. Agora, eu penso que o Mario Kart subiu de conceito, quero dizer no sentido de ter o mesmo efeito ou parecido ao de Mario 2D, o de levar o público a comprar hardware por um bom tempo. Enfim, só o tempo dirá isso. Outra coisa, é engraçado como a cada resultado positivo do 3DS a Nintendo faz um comparativo ao DS ou o Wii. Parece que a Nintendo quer auto-afirmar 3DS é um sucesso e esquecer que seu início foi aquém do esperado e que precisaram de uma redução brusca de preço, tornando o aparelho prejuízo para ela, para melhorar sua condição.

    ResponderExcluir
  2. Não adianta Malstrom, Avcf, eu, vc, sheridan e muitos outros afirmarem que a nintendo está indo para o lado errado, apostando na tecnologia e não no conteúdo para prosperar.

    Se tecnologia fosse a chave os videogames mais robustos tecnologicamente ganhariam a geração. É o que acontece? Não, na verdade é justamente o contrário: os videogames mais fracos costumam levar a geração, pois o custo de desenvolvimento é menor, demanda menos tempo de desenvolvimento, etc.

    A nintendo até se esqueceu que afirmara Yamauchi: o videogame é apenas um caixa pela qual se chega aos jogos.

    ResponderExcluir
  3. Obsolescencia planejada.

    ResponderExcluir
  4. O 3DS foi um tiro no pé que a própria nintendo deu. E não duvido se o WiiU seguir o mesmo caminho.

    ResponderExcluir
  5. Análise interessante. Mas acho que a conclusão foi precipitada. A Nintendo (e nos ultimos anos a Sony também) é uma empresa tanto hardwarehouse quanto softhouse. Ela fugiu com Wii da briga da Sony e Microsoft que buscavam unica e exclusivamente a excelencia quanto a potencia gráfica e centrais multimidias off-games. Ela apostou em uma revolução quanto ao modo de jogar, quanto a jogabilidade. E é isso que eu espero que uma empresa de videogames faça. Inove e renove esta área. Processadores, placas gráficas, etc, é coisa da IBM, etc. Empresa de videogames tem que investir em jogabilidade. Ponto. Isso é uma questão. Ela inovou com Wii e está re-inovando com Wii-U. Além disso ela é uma softhouse também, e ainda das mais competentes do ramo. Ela inova TAMBÉM na jogabilidade interna ao game e lança games que viram referencias. Como sempre fez com o famoso z-targeting em Zelda, movimentação 3D real em Mario, etc. Eu não acho que ela traiu sua própria filosofia, acho que retomou mesmo. Inovando o hardware e o software.

    ResponderExcluir
  6. A Nintendo além de ser empresa de jogos, é de consoles. O foco dela com consoles deve ser criar tecnologias novas para seu console, e fechar parcerias com empresas de jogos para exclusividades. Não é porque ela está concentrando esforços nas inovações tecnológicas que não está concentrando também esforços no novo jogo do Mario, ou em parcerias para jogos. Que empresa de jogos vai querer parceria em um console que é mais do mesmo?

    ResponderExcluir
  7. Contradição, primeiro diz que inovação é arriscado, que é diferente do que o mercado pede, depois reclamada que a nintendo esta fazendo algo novo diferente do mercado tradicional?

    fora isso (e os erros obscenos de português)existem ainda alguns erros e divergências históricas.

    Acho a nintendo, hoje em dia, supervalorizada, os jogos não mais me atraem e o console deixou de ser um competidor válido, como todo mundo eu fiquei animado num primeiro momento com o wii, até eu jogar umas 3 vezes e ver que aquilo não era pra mim.

    Enquanto o psp tem um conteúdo intercambiável com o ps3, além de seu uso poder ser entrelaçado com o mesmo, o nintendo DS sofre do problema que afetava o playstation 3 inicialmente e que vem afetando o wii há algum tempo, falta de jogos bons.

    Muitos desenvolvedores deixaram o wii de lado pois este não possui capacidade de processamento gráfico suficiente para suportar os jogos da nova geração, além de sua jogabilidade ser limitada pelos controles (tentei jogar Ghost Recon e o posicionamento dos botões me dava rage guy face toda hora).

    Estou ansioso por ver o WiiU, não por achar que vai ser uma revolução, pois muitas vezes as revoluções são uma questão de timing e tempo, só o tempo dirá o que foi revolucionário ou não, e não as pessoas que vivem a mesma.

    Sobre os periféricos como o Kinect e o Move, acho que eles estão indo bem (pelo menos em vendas) e como qualquer dispositivo que necessite de um componente terceirizado (como no caso, jogos) ele precisa apenas de melhores componentes, que virão com o tempo

    ResponderExcluir
  8. ah tá! qual é? fala da nintendo viro moda agora né? E quem disse que os jogadores querem só jogos? se fosse assim o Kinect seria inutil e mais ainda quem disse que todos os jogos do Wii são ruins? os gráficos em comparação é que são ruins ou até mais, quem disse que o 3DS e o Wii U são ideias obsoletas? Eu gostei do 3ds e já ouvi de muitas pessoas que tb gostam dele e acham uma ideia boa, mas naum comprariam um agora pq ainda ta cedo e caro ou então simplesmente naum faz o estilo dela e eu concordo...da mesma forma que quando o PS3 saiu era cedo e caro pra comprar, só agora em 2011 depois de anos depois eu finalmente consegui comprar meu Wii e o PS3, assim eu posso jogar tanto os jogos da nintendo como tb os da sony e mano...o Wii U nem ao menos saiu

    Eu acho a nintendo burra e genial ao mesmo tempo, por terem a coragem de ter lançado o Wii, e se preparar para lançar um console como o Wii U e tb por se afastar da guerra dos consoles dessa geração...eles até poderiam ter lançado com graficos melhores, mas ai o preço ia se um absurdo de caro e apenas algumas pessoas iriam ter comprado, e foi isso que aconteçeu com o 3DS, o preço

    E o pior é que hj em dia vc nem pode falar muita coisa que todo mundo já fala que vc é fã fanatico, o novo console nem a menos foi lançado e todo mundo fala que já vai se uma merda, o Wii tem uma biblioteca de jogos mas todos falam que são infantis e ruins...mas tb naum adinta fala muito, ainda mais na internet, como eu vi em algum lugar no face, é como jogar xadrez com um pombo: ele caga no tabuleiro, derruba todas as peças e ainda voa cantando vitoria...então só o tempo pra dizer mesmo
    Fato é que a nintendo ta aí, gostem ou não, e assim como qualquer produto tem quem compra

    ResponderExcluir
  9. Amigo, o problema em questão é que VOCÊ está falando antes da hora.

    A Nintendo deixou de apostar nos jogos para focar na tecnologia? Como pode afirmar isso sem o console nem ter sido lançado?

    O Wii foi um excelente console, mas será que teria feito o sucesso que fez se ao invés dos sensores usasse um controle normal? Eu duvido...

    Acredito que devemos esperar pelo novo console antes de sair julgando as açoes da Nintendo.

    E apenas lembrando que, se você não quiser a tecnologia do novo controle, é só usar um nunchuk...

    ResponderExcluir
  10. OMG! como alguem pode se contrariar tanto e falar tanta asneira?
    Serio? vc escrevei isso de uma forma seria?
    vamos parar pra pensar: onde esta o erro da Nintendo? Ela criou novas tendencias? e isso é errado porque?
    vc acabou de postar algo disendo que inovar é errado? e vc acha q a Nintendo n se importa em criar jogos? Todas as grandes franquias estão a OMG! como alguém pode se contrariar tanto e falar tanta asneira?
    Serio? vc escrevei isso de uma forma seria?
    vamos parar pra pensar: onde esta o erro da Nintendo? Ela criou novas tendências? e isso é errado porque?
    vc acabou de postar algo dizendo que inovar é errado? e vc acha q a Nintendo n se importa em criar jogos? Todas as grandes franquias estão a onde então? qual mais empresa continua a insistir em franquias de mais de 20 anos e agradar o publico, e se vc me disser q mario e zelda estão ruins, eu apenas acho vc totalmente insano...
    se a Nintendo lançar o WiiU, com essa ideia estranha de tablet com console, e se tornar mais uma mania, significa q ela esta traindo algum movimento? qual movimento? vc tem essa opinião, mas é a opinião mais vaga q ja vi em minha vida, sinceramente até mesmo os Flamer Sonystas desenvolvem argumentos melhores q vc...
    quer reclamar de ciclos viciosos, olhe em sua volta e veja q outras empresas só fazem copias de Call of Durty e God of War, os originais ja me agradaram, mas e agora q todos os jogos são os mesmo?
    o único motivo de comprar Nintendo é fugir desse vicio de jogos FPS repetitivos e "Slash and Dash" copiados de God of War...
    pela sua forma de pensar, eu apenas lamento...
    tenho um 3DS, cada vez q perco o folego por correr numa pista 3D (mario kart 7) percebo q a Nintendo sabe oq faz...

    ResponderExcluir
  11. Concordo em partes. Uma das características que mais me admiram na Nintendo é que mesmo atualmente ela continua com o sistema de "facilidade" trazido pelos videogames desde da década de 80, o que sempre foi o grande diferencial e que anda sendo abandonado em partes pela Sony e também pela Microsoft, as duas últimas conseguiram deixar seus atuais consoles tão complicados quanto instalar jogos em computador, ter que usar patchs e cracks, mesmo que o jogo seja original, enquanto o Wii se manteu com maior simplicidade, sem complicações para que você jogue.
    Muito se falava que o famigerado Revolution seria um tiro no pé que a Big N daria, assim como disseram que o DS não tinha cacife pra competir com o incrível PSP, mais de 4 anos se passaram e vemos que as previsões foram nada mais que por água abaixo, o DS na sua simplicidade gráfica tem uma biblioteca monstruosa de jogos enquanto o PSP mal possui games, em um mês enquanto eram lançados 5 jogos pra PSP se via 100 pra DS. O 3DS começou mal, mas começou a subir, a proposta da Nintendo é interessante, apesar que pra mim o enfoque da empresa sempre foi nos "jogos para portáteis" enquanto a Sony não aprendeu isso ainda, tentando trazer blockbusters pros portáteis ela vive se matando, isso porque quem compra portáteis normalmente pensa em usá-los pra distração, com jogos mais diretos ao ponto e mais casuais, ninguém vai ter paciência de por exemplo jogar um "Metal Gear" da vida numa fila de banco, mas com certeza estará aberto a se divertir em qualquer jogo do tipo "Plants vs Zombies". O PSOne e o PS2 foram incríveis consoles, que tiveram devidamente seu reconhecimento, mas de uns tempos pra cá a Sony começou a passar mais tempo "brigando" com a concorrência do que realmente se preocupando com seus produtos, e isso tem matado ela cada vez mais. Eu realmente espero uma volta mais triunfal e que ela não repita os mesmos erros do passado com o PSVita. O 3DS já será compra garantida pra mim até o meio do ano, o Vita ainda estou em análise, o histórico da Sony em portáteis me faz sempre pensar duas vezes antes de adquirir um dela, os poucos jogos e o pouco suporte que a empresa dá pra eles me deixa com medo, não quero comprar um videogame e ano depois me dizerem que eu não posso mais comprar cartuchos físicos pra ele, sou muito oldschool pra aguentar ficar com meus jogos apenas na memória, nem no computador eu faço isso.

    ResponderExcluir
  12. A comparação entre as épocas não é válida, pois alguns pontos importantes não estão sendo levados em conta:

    - O NES/Famicom representava o que havia de melhor em gráficos na época. Os jogos do NES não ficavam devendo nada aos jogos da concorrência no quesito tecnologia. O SNES, que veio em seguida, seguiu a mesma linha.

    - A estratégia de marketing da Nintendo botava os demais no chinelo. E, a bem da verdade, os Amiga e MSX nunca foram concorrentes de fato. A indústria se digladiava para colocar seus jogos no NES.

    - O NES tinha um ou outro jogo "família", mas no geral os jogos do NES eram de uma complexidade absurda! Como se diria hoje, a maioria dos jogos era altamente "hardcore".

    - Também não procede o argumento da "simplicidade". Na época, o paradigma para controle de videogame ainda era o joystick do Atari, muito mais simples só com uma alavanca e um botão. Aquele controle com direcional em cruz e dois botões foi algo muito difícil de dominar para os gamers da época.

    Como se vê, a Nintendo não está "traindo" nada nem ninguém. O fato é que o Wii vendeu muito, mas será eternamente conhecido apenas como o console do Wii Sports. É um bom console, mas se tivesse um pouco mais de tecnologia gráfica, estaria a pleno vapor até hoje e teria aniquilado a concorrência.

    ResponderExcluir
  13. O Satoru Iwata assumiu a Nintendo no fim de 2002.

    Em 2004 a Nintendo lançou o DS. Desde o princípio o foco foi o público "casual". Na época, inclusive havia declarações que o DS era um terceiro pilar e que a linha Game Boy (dedicada a gamers hardcore) continuaria. Esta última ideia foi abortada após percebrrem que o DS se tornou o maior fenômeno comercial na história dos videogames. Mas notem, a ideia não era concorrer com o PSP, mas sim escalar uma montanha diferente.

    Nessa época, o Satoru Iwata já falava que o próximo console de mesa da nintendo iria revolucionar o mercado. Não seria mais como antigamente, gráficos melhores, controles mais complicados. Não, a Nintendo iria atrás de um público novo. Ou seja, novamente a ideia não era concorrer com o New Playstation, mas sim ir atrás das pessoas que nem sabiam o que era um Playstation.

    Em 2006, o Wii saiu. Hoje, ninguém pode negar que a meta da Nintendo deu certo. A ideia nunca foi receber os jogos multiplataforma, concorrer com o PS360. Tanto que, enquanto o PS360 tinha a espera por GTA IV, o Wii tinha Bully. Ou, enquanto o PS360 tinha RE5, o Wii tinha RE4. Ou seja, não receber os jogos multiplataforma não foi uma falha da Nintendo com o Wii. A verdade é que essa nunca foi a ideia.

    Chegamos a 2011. O 3DS foi lançado. Pelos jogos anunciados (RE, MGS, KI, SFIV, etc), parecia claro que a Nintendo ia atrás do público "hardcore" do PSP. A ideia era acabar com a concorrência, tendo o que há de melhor no PSP (gráficos 3D) e o que há de melhor no DS (jogabilidade diferente, touch, giroscópio).

    Mas o 3DS inicialmente fracassou. Não tinha jogos, não tinha vendas. E então o Vita foi anunciado. Gráficos muito melhores e o mesmo preço. Pronto, a Nintendo se fudeu. Tentou morder um pedaço muito grande e acabou levando um bote da Sony. O 3DS iria se tornar o novo N64.

    Mas isso não aconteceu. O Satoru Iwata se mostrou um executivo que também sabe lidar com adversidade (notem, a primeira de um console lançado em sua gestão). Abaixou o preço, lançou Mario 3DLand e Mario Kart 7 e, principalmente fez o anúncio de Monster Hunter 4, que era a principal franquia do PSP. O Japão, um dos principais mercados consumidores de portáteis e o maior produtor de jogos para os portáteis, está definitivamente dominado.

    Assim, se olharmos friamente, parece que a Nintendo novamente se deu bem. Parece não haver espaço no mercado pro Vita, enquanto o 3DS engole todas as principais franquias. Só falta GTA, o que, não duvido, seja anunciado nesta E3. Veja, pra que a Rockstar faria o jogo pro Vita (2 milhões de usuários) se ela pode fazer pro 3DS (17 milhões) e depois portar o jogo pro Vita? Notem, é diferente do Chinatown Wars, pois dessa vez o portátil da Nintendo é capaz de emular os gráficos 3D dos consoles de mesa.

    Enfim, chegamos ao Wii U. Desde o início ele está sendo vendido como o console que derrubará a barreira entre casual e hardcore. O console está sendo feito pra receber os jogos multiplataforma e se destacar através das franquias da Nintendo e do controle diferente.

    Olhem o retrospecto do Satoru Iwata. Ele ainda não errou. Se ele diz que a Nintendo irá atrás dos jogos multiplataforma, ela irá. É por isso que eu acho que o Wii U será a base pra próxima geração. E é por isso que eu acho que o Orbis e o Durango não terão specs muito superiores ao do Wii U.

    Se Sony e Microsoft se arriscarem (sim, é o contrário do que aconteceu em 2006 - hoje o risco é investir muito na evolução técnica), elas correm o risco de ter uma gordura a mais, uma diferença técnica que não faça diferença pras thirdies mas dificultará ter um preço competitivo, mais ou menos o que acontece com o Vita atualmente...

    ResponderExcluir